Você aprendeu nas aulas de física (mas talvez não lembre!) que condensação é um fenômeno físico que acontece quando o vapor passa para o estado líquido. Em acampamentos, a condensação pode ser observada no interior do sobreteto das barracas quando, após uma noite acampando, a parte interna das paredes amanhecem molhadas.

Nessa situação, não pense que choveu e a água penetrou pelo tecido durante a noite. Na verdade, isso significa que houve pouca troca de ar entre a parte de dentro da barraca e o ambiente externo. Isso gera uma diferença de temperatura e faz com que a umidade interna (mais quente) condense ao encontrar o tecido do sobreteto (mais frio).


O que influencia na condensação

Considere que, ao sair do seu corpo, o ar quente e úmido precisa passar por duas barreiras para sair da barraca: primeiro, o tecido do quarto e, depois, o sobreteto. Pensando nisso, listamos abaixo os fatores que influenciam para que a condensação aconteça:

Tecido do quarto

O ar quente para, sair de dentro da barraca, precisa atravessar primeiro a parede do quarto. É por esse motivo que, nas especificações técnicas da maioria das barracas, lemos que o quarto é em tecido respirável. E, além de ser em tecido respirável, geralmente parte do quarto é em tela de mosquiteiro, que facilita muito mais a circulação de ar. Em muitos modelos, a área em tela de mosquiteiro já fica estrategicamente posicionada em frente à janela do sobreteto, justamente para facilitar a passagem do ar. Naturalmente, quanto maior a área em tela de mosquiteiro, mais facilidade o ar tem de circular e encontrar alguma saída.

Isso com relação às barracas que possuem quarto e sobreteto. No caso das barracas de parede simples  a situação da condensação é mais complicada pois em vez de condensar na parede do sobreteto as gotículas condensam na parede do quarto e quando amanhece elas começam a pingar dentro da barraca ou escorrer pela parede interna, molhando o que está dentro da barraca.

Tipos de sobreteto

Como explicamos, a condensação acontece quando há pouca troca de ar com o ambiente externo. O sobreteto tem a principal influência sobre esse fenômeno, já que é a sua impermeabilização que impede essa troca. Então, quanto mais fechado ele for, menor a troca de ar e maior a chance de condensar. Em barracas cujo sobreteto é aberto, a chance de condensar é mínima.

Quantidade de janelas do sobreteto

Ainda na parte sobreteto, outro fator que influencia a circulação de ar é a quantidade, tamanho e localização das janelas de ventilação. Se o tecido do sobreteto é impermeável, o ar precisa encontrar outras aberturas para sair. Por isso, quanto mais janelas e maiores, menor a chance de condensar. Claro, se elas forem mantidas abertas!

Distância entre o sobreteto e o chão

Outro aspecto que influencia a troca de ar com o ambiente externo é a distância que o sobreteto fica do chão. Quando o ar frio penetra na barraca por baixo do sobreteto, ele naturalmente “empurra” o ar quente para ele sair pelas janelas, que ficam na parte de cima, fazendo com que o ar interno circule entre a parte externa e interna e mantendo uma regulagem térmica. Mas se esse espaço for muito pequeno, o ar tem dificuldade de entrar e esse processo não acontece.

Vale comentar que em algumas barracas que possuem saias, como a Nepal, esse movimento natural de circulação do ar fica ainda mais comprometido. Uma solução, se você quer facilitar essa entrada do ar, é enrolar e prender as saias.

Tamanho da barraca x Temperatura

Avaliando agora a facilidade de o corpo esquentar a barraca, há que se levar em conta dois fatores: o tamanho da barraca e a quantidade de pessoas dentro dela.

Quanto maior a barraca, mais difícil de um corpo esquentar toda a área interna a ponto de ela começar a condensar. Seguindo esse mesmo princípio, quanto mais gente dormindo e respirando dentro da barraca, mais fácil e rapidamente acontece esse aquecimento, o que facilita a condensação.

Ou seja, uma pessoa sozinha em uma barraca grande tem menos chances de acordar com as paredes do sobreteto molhadas que uma pessoa em uma barraca pequena ou várias pessoas em uma barraca grande.


Como evitar a condensação na barraca

Baseado em tudo que já comentamos, a forma de evitar a condensação é simplesmente facilitar a troca de ar entre o ambiente interno e externo da barraca para que não haja grandes diferenças de temperatura.

Faça isso utilizando todos os recursos de circulação de ar da barraca: abra todas as janelas, desobstrua as telas de mosquiteiro, prenda o sobreteto ao chão e estique bem para entrar mais ar. Dependendo do modelo, dá até para deixar uma parte da porta do quarto aberta.


Quando não evitar

Em situações de um clima muito frio (normalmente abaixo de 10°C), essa diferença de temperatura entre a parte interna e externa fica inevitável e naturalmente acontece a condensação.

Obviamente que, em situações de frio extremo, é natural que tudo que você não queira é que o frio entre na sua barraca! Tudo que você quer é que o ambiente interno fique o mais quentinho possível para que você possa dormir sem passar frio. Nesse caso, o melhor a fazer é esquecer a condensação e dormir o mais confortável possível, mas ainda assim deixar alguma pequena abertura em algum local.

No dia seguinte, quando você acordar com a parte interna da barraca molhada, apenas cuide para não encostar nas paredes e não molhar também o tecido do quarto. De manhã, se possível abra a porta e as janelas e deixe ela secar naturalmente ao longo da manhã ou do dia.

Apenas tenha o cuidado de não guardar a barraca com o sobreteto molhado. Se isso for inevitável, ao chegar em casa de volta do acampamento, abra a barraca e deixe ela secar completamente antes de guardar na embalagem na espera da próxima acampada!


Atenção! Você curte nosso site e nosso trabalho? Curte as dicas e conhecimentos que produzimos? Então pedimos que você colabore fazendo uma pequena doação, o quanto você puder pagar... Essa é uma forma de manter nosso site funcionando. Qualquer valor para nós faz toda diferença para ajudar a manter o site no ar. Para doar apenas Clique no Botão abaixo!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorRetiro dos Padres
Próximo artigoCamping Lua Cheia
Porto-alegrense, mochileira, campista e formada em turismo. Um dia ela resolveu unir todas suas paixões: natureza, viagens, campismo, biologia, geologia, turismo e se tornou co-fundadora deste site.